Placas da Prefeitura anunciando o início das obras já foram espalhadas pela orla de São Domingos e Gragoatá. Foto: Alcyr Ramos

Por Soraya Batista

Ministério da Educação concede ao município de Niterói permissão de uso para utilização de um terreno do campus Gragoatá da Universidade Federal Fluminense e assim continuar projeto

O  Ministério da Educação (MEC) concedeu ao município de Niterói uma permissão de uso para utilização de uma área do campus do Gragoatá da Universidade Federal Fluminense (UFF), para instalação da Via Orla, localizada no limite externo do campus. Com essa resolução, a prefeitura poderá dar continuidade às obras da via.

A Via Orla e a Via 100 são projetos que compõem a Avenida Litorânea e visam fazer fluir o trânsito na cidade em função do impacto viário que a expansão da UFF deverá gerar. O empreendimento tem motivado protestos por parte de estudantes da universidade, que reclamam que o trajeto das vias vai implicar na desapropriação de casas e, ainda, que a UFF deveria priorizar outros projetos considerados mais importantes pela comunidade universitária.

Há algumas semanas, os alunos chegaram a invadir a reitoria e a ficar acampados no local por quase sete dias, em protesto. Para deixar o prédio, os estudantes fizeram uma série de reivindicações que teriam sido aceitas pela reitoria – entre elas, a paralisação das obras da Via Orla e da Via 100.

A UFF informou em seu site que acordou uma série de itens com os estudantes, entre eles que a reitoria iria  se posicionar publicamente contra o desalojamento dos moradores e não iria “ceder nem um milímetro de seus terrenos para a construção da Via 100”. Prometeu também debater o projeto com os  estudantes antes de dar qualquer passo adiante.

As obras das vias estão sendo realizadas pela prefeitura. A única participação da UFF no empreendimento é a cessão de terras em troca de outras áreas que pertencem ao município mas que ficam dentro dos campi da UFF.

Em agosto, a UFF se comprometeu a ceder uma área de 9,4 mil metros quadrados, na altura da Concha Acústica, em São Domingos, para a Prefeitura, em troca da total urbanização das vias da UFF e da cessão de ruas que passam dentro dos campi para a universidade, além do estacionamento do campus do Valonguinho.

A Prefeitura já afirmou que as obras são de extrema importância para atender o aumento do movimento na região. “As vias Orla e 100 são as únicas alternativas que permitirão maior fluidez no trânsito da cidade para Ingá, Icaraí e São Francisco”, acredita.

Fluxo de veículos em jogo

O projeto da Via Orla e Via 100 foi criado com o objetivo de desafogar o trânsito do Gragoatá e do Centro. De acordo com a Prefeitura, as obras ainda estão na fase de topografia.

A Via 100, que faz parte do Plano diretor de Niterói, passará entre o Museu do Cinema e a UFF, ligará os campi do Valonguinho, Gragoatá e Praia Vermelha e permitirá o fluxo de carros, ônibus e caminhões fora dos campi da universidade.

Já a Via Orla, que possibilitará à universidade ampliar o número de vias de acesso ao campus do Gragoatá, permitirá somente o fluxo de veículos da UFF e carros de passeio. Terá corredor de ciclovias, redutores de ruído, calçadão, estacionamento para a comunidade da instituição, contenção do processo de erosão e construção de um píer exclusivo para a universidade.

A via atenderá a exigência do Ministério Público Federal para minimizar os impactos no trânsito devido à expansão da UFF e será construída com um afastamento mínimo de 10 metros dos edifícios da universidade. Segundo a UFF, não será permitida a construção de quiosques de qualquer natureza na via.

Anúncios