Após a primeira noite na ocupação Maria Clemilda e Manuel Gutiérrez, os estudantes começaram a se preparar para o dia que terão pela frente. Com o café da manhã reforçado garantido pelo Sintuff, uma plenária é convocada às 9h30 para a organização do dia. As comissões, então, se juntaram para estruturarem suas atividades.

Alguns estudantes se dirigiram ao Restaurante Universitário na hora do almoço para um bandejaço, que foi muito produtivo. A conversa e o panfleto feito para a comunidade acadêmica ajudaram para que a ocupação fosse melhor compreendida.

O que não foi compreendido foi a reação do Diretor da Escola de Engenharia, Prof. Hermano José Oliveira Cavalcanti. Duas alunas haviam se dirigido para a Praia Vermelha porque souberam que nosso Reitor estaria lá para uma palestra. Pedindo a palavra, uma delas perguntou o motivo do não comparecimento de Roberto Salles no Conselho Universitário do dia anterior. Este ignorou a pergunta e se retirou. Mas uma das funcionárias da Faculdade reprimiu as estudantes chamando-as de baderneiras. Já do lado de fora da sala do debate, Prof Hermano impediu a entrada de outros estudantes da ocupação. Com uma postura totalmente autoritária, ele falou que aqueles estudantes não erem bem vindos ali.

Enquanto isso, na Reitoria rolava uma roda de debate sobre a campanha nacional “O petróleo tem que ser nosso”, que contava com a participação do Sindpetro. Às 18h outro debate aconteceu sobre a Via Orla e a Via 100. Neste, foi consenso que essas obras precisam ser rediscutidas com a comunidade, e que projetos assim devem realmente resolver problemas da cidade.

Ao longo do dia, alunos da psicologia fizeram reuniões e aulas na Reitoria. Um grupo de trabalho fez seu encontro semanal no local e o Prof Francisco trouxe sua turma para estudar ao ar livre.

Graças a mobilização feita durante todo o dia, a Assembleia Geral dos Estudantes, realizada no começo da noite, contou com a presença de ainda mais estudantes. A programação do final de semana foi pensada e várias ideias surgiram. Entre elas, um dia de atividade com as crianças da creche e a apresentação do Samba da História no gramado da Reitoria.